Exposição Fotográfica de David Claerbout

©  David Claerbout
© David Claerbout

No âmbito do Festival Temps d’Images, inaugura-se hoje, dia 12 de Novembro de 2009, pelas 19h, a exposição fotográfica de David Claerbout, no Museu Nacional de Arte Contemporânea (Museu do Chiado), em Lisboa.

A mostra estará patente até dia 28 de Fevereiro de 2010.

“Os trabalhos de David Claerbout operam conjuntamente fotografia e filme de forma a produzir pela imagem uma experiência física destas categorias e um conhecimento das suas potencialidades. Se a fotografia se fixa num tempo específico, que está ali, documentado e não se apaga em direcção a outro momento; o filme, pelo contrário, evolui continuamente de imagem para imagem. Ao rebater o filme e a fotografia para um meio computorizado, num único e mesmo sinal electrónico – que os codifica em informação emitida como vídeo –, os conceitos de fotografia e de filme subsistem ainda nesse meio digital, como sustenta o artista. A imagem fixa e o registo fílmico em tempo real constituem-se como duas modalidades de tempo que concorrem juntamente. Apesar da condensação dos tempos diferentes por um só meio, é neste vai e vem que David Claerbout realiza o seu trabalho. Entre o presente suspenso da fotografia e o presente continuado do filme revela-se um fascínio pela imagem e os seus tempos, sobretudo através de arquitecturas alusivas a um momento histórico específico. Nostalgia e reivindicação tornam-se pólos centrais destes seus trabalhos iniciais.

(…)

Os trabalhos mais recentes de David Claerbout apresentam-se como amplas séries de fotografias tiradas de múltiplas perspectivas de um só e mesmo instante. A sua apresentação numa sequência define potenciais situações narrativas, por vezes complexas e diversas, mas que paradoxalmente não se constituem como tal, uma vez que todas as imagens se referem a um só instante, não existindo por isso progressão temporal. Por outro lado, a proliferação espacial criada desconstrói a unidade do instante, da sua presença.
De certa forma, é sempre um tempo diferido que os seus trabalhos abordam.” Pedro Lapa, Director do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado.

David nasceu em 1969 em Kortrijk, na Bélgica.

Estudou no Nationaal Hoger Instituut voor Schone Kunsten (Antuérpia) de 1992 até 1995.

Actualmente, vive e trabalha em Antuérpia.

Aberto de Terça-feira a Domingo, das 10h às 18h.

Para mais informações, consulte o site do Museu Nacional de Arte Contemporânea (Museu do Chiado).