Paraty em Foco 2021 abre inscrições

Selfie - Divulgação
Selfie – Divulgação
Convocatória - Divulgação
Convocatória – Divulgação

Paraty em Foco 2021 abre inscrições para Convocatória nas categorias Ensaio, Foto Única e Selfie em Foco

Poucas expressões artísticas têm tanto a dizer nas épocas de crises como a Fotografia. E nesse 17º Paraty em Foco Festival Internacional de Fotografia (PEF) – de 15 a 19 de setembro – quando o mundo ainda está mergulhado na pandemia de Covid19, o tema é Fotografia Solidária. Num mundo conectado, é uma tentativa de jogar luz sobre a tragédia e mostrar como a arte pode ajudar a compreender e enfrentar o problema.

 

E entre os dias 10 de março e 8 de agosto, o PEF está com as inscrições abertas para Convocatória Portfólio em Foco, que se consolida como uma plataforma nacional e internacional permanente para dar visibilidade a tendências, autores e trabalhos emergentes. No mesmo período fotógrafos profissionais e amadores podem inscrever seus Ensaios, Fotos Únicas e autorretratos para a Selfie em Foco. O tema da Convocatória é livre.

 

Convidados

Mantendo a tradição de reunir nomes das diversas vertentes da Fotografia, a lista de convidados do PEF 2021 já tem seus primeiros nomes, como: o fotojornalista André Teixeira, que trabalhou no jornal O Globo como repórter fotográfico e editor; o italiano radicado no Brasil, Antonello Veneri; a paraense moradora em São Paulo, Ivana Debértolis; o único fotógrafo brasileiro com deficiência visual a cobrir os Jogos Paralímpicos de 2016, João Maia; a carioca com 40 anos de profissão e fundadora do Atelier Oriente, Kitty Paranaguá; o paulistano autodidata, fotógrafo, colecionador, curador, empreendedor e incentivador cultural, Marcos Varanda; o baiano que usa suas fotos para financiar um programa de ajuda a famílias em situação de vulnerabilidade social e risco, Noilton Pereira; o fotógrafo, curador, professor e um dos sócios do Atelier Oriente, Paulo Marcos de Mendonça Lima; o diretor de redação da revista Fotografe Melhor e responsável pelo setor de livros e bookzines sobre Fotografia da Editora Europa, o mineiro Sérgio Branco; o carioca e um dos fundadores da Agência F4 e criador da Escola de Fotógrafos Populares, na Maré, João Roberto Ripper; além da artista visual Tina Gomes, que cria imagens com material de arte disponível e sucata, num processo de imagens inseridas na fotografia autoral e de arte, e Wania Corredo, uma das fotógrafas mais premiadas do país e fundadora do grupo Fotógrafas Brasileiras.

 

Visibilidade e autofinanciamento

A Convocatória Portfólio em Foco é uma das principais formas de autofinanciamento do PEF. Os 10 ganhadores das categorias Ensaio e Foto Única participam da exposição ao ar livre na Praça da Matriz, no Centro Histórico de Paraty. Os três primeiros colocados em cada uma delas serão convidados para o Festival com todas as despesas de estadia e alimentação na cidade da Costa Verde pagas, além de apresentarem seus trabalhos ao público dos “Encontros e Entrevistas”. A inscrição custa R$ 100 e não há limite para o número de inscrições. A Selfie em Foco selecionará 30 obras para participar do Festival em uma importante exposição a ser montada na quadra da Matriz. A inscrição custa R$ 100 e dá direito ao envio de quatro fotos. Não há limite de inscrições. Todas as inscrições serão feitas exclusivamente pelo site do PEF, onde estão disponíveis os regulamentos. As fotos pré-selecionadas também serão divulgadas no site www.pefparatyemfoco.com.br e nas mídias sociais do Festival.

 

Homenageado

O homenageado deste ano será Thomaz Farkas (1924), um dos expoentes da fotografia moderna no Brasil. De Budapeste, mora desde criança em São Paulo, onde em 1948 realizou sua primeira mostra individual, considerada também a primeira exposição de fotografia em museus do país. Em 1949 expôs no MOMA de Nova York e suas fotografias integram o acervo permanente da instituição. Foi professor da Escola de Comunicações e Artes da USP e é presidente emérito do Conselho da Cinemateca Brasileira.

 

Nos anos 40, o trabalho de Farkas teve como foco a vertiginosa transformação da paisagem urbana de São Paulo. Nos anos 50 iniciou o estudo de movimentos e do desenho dos corpos em contraluz com uma célebre sequência de fotos de ballet. Já nos anos 60 e 70, Farkas voltou seu interesse para o interior do país, especialmente o Nordeste, e tornou-se diretor e produtor de cinema documentário. A Caravana Farkas abriu espaço para uma geração de cineastas que começou então a revelar um Brasil desconhecido do eixo Rio – São Paulo. Em 1979 fundou a Galeria Fotóptica, importante referência para todos os fotógrafos da época.

 

Mais informações: Casa 10 Comunicação Fernanda Moreira (21) 99952-0773

 

bailarina Farkas
bailarina Farkas