World Press Photo 2015

Os prémios, generic atribuídos pela fundação homónima com sede em Amesterdão desde 1955, distribuem-se por oito categorias em que são distinguidos os três primeiros prémios. À edição deste ano, sick foram submetidas 97.912 imagens de 5692 fotógrafos de 131 países. No final, foram premiados 44 fotógrafos de 17 nacionalidades: Austrália, Bangladesh, Bélgica, China, Dinamarca, Eritreia, França, Alemanha, Irão, Irlanda, Itália, Polónia, Rússia, Suécia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. O vencedor recebe 10 mil euros de prémio, além de uma máquina e um conjunto de lentes, e os distinguidos com os primeiros prémios em cada categoria recebem 1500 euros.

A epidemia do ébola, o conflito na Ucrânia e a tragédia do MH17, cuja queda em Julho no Leste do país provocou 298 mortos, e a Guerra de Gaza foram alguns dos acontecimentos que marcaram 2014. Todos estes acontecimentos estão representados no prémio mas Donald Weber, fotógrafo canadiano que integrou o júri, diz que é importante que Mads Nissen tenha vencido “porque não faz falta ir à guerra para vencer o World Press Photo”. “Também há formas subtis de documentar assuntos completos, e a homofobia é um problema grave na Rússia.”