Exposição do 5º Concurso de Fotografia ILUSTRE AMARANTINO 2020

CARTAZ-ILUSTRE-AMARANTINO-2020Exposição composta por 18 obras premiadas, resultante da quinta edição do Concurso de Fotografia Ilustre Amarantino 2020 que teve como tema o pintor António Carneiro, figura importante da pintura portuguesa, um dos mais notáveis pintores portugueses da viragem dos séculos XIX-XX, neste concurso de fotografia, no ano de 2020.

 

Tendo sempre como referência o António Carneiro, neste concurso, foram definidos três cenários diferentes:

António Teixeira Carneiro Júnior nasceu em Amarante, na freguesia de S. Gonçalo, no bairro da Graça, a 16 de setembro de 1872.

O bairro da Graça, um bairro humilde onde morava a sua mãe (exposta da roda), situava-se entre as atuais Ruas: Teixeira de Vasconcelos e Frei José Amarante. Na Rua Frei José Amarante, que tem início na Praça da República (também conhecida por Largo de São Gonçalo) e termina na Rua Teixeira de Vasconcelos, situa-se a Igreja Nosso Senhor dos Aflitos, vulgarmente designada de São Domingos, que se levanta sobranceira à Igreja do Convento de São Gonçalo.

Construída pela Ordem Terceira de São Domingos e concluída em 1725, exibe uma fachada, de estilo barroco, rematada, no tímpano, com as armas dominicanas. Num espaço contíguo à Igreja, a riqueza do legado patrimonial religioso ganha visibilidade no Museu de Arte Sacra, dividido em dois pisos: no primeiro, com os espaços das artes decorativas, pintura, paramentaria e alfaias litúrgicas e, no segundo, com as salas de imaginária dos séculos XVIXVIII e de imaginária do século XIX.  A fotografia a concurso deverá conter a Rua Frei José Amarante ou parte dela.

O primeiro cenário fotografado: Rua Frei José Amarante.

 

2. Casa-Oficina António Carneiro

A Casa-Oficina António Carneiro é um edifício construído nos anos 20 do século passado pelo próprio artista, que aí acabou por viver e trabalhar. Este edifício foi também habitação e local de trabalho dos seus dois filhos: Cláudio (1895-1963), que se notabilizou como compositor, e Carlos (1900-1971), que deu continuidade à herança artística do pai. A Casa-Oficina António Carneiro fica na rua a que a câmara do Porto deu o nome do pintor, na freguesia do Bonfim.

Em 1925, ano em que inaugurou o seu atelier, a atual Rua António Carneiro, tinha o nome de Rua Barros Lima. Este cenário tem como foco o edifício – Casa-Oficina António Carneiro. A fotografia a concurso deverá conter a fachada da Casa-Oficina António Carneiro ou parte dela, podendo ser enquadrada na paisagem envolvente.

O segundo cenário fotografado: Casa-Oficina António Carneiro.

 

3. Criativo

Fica ao critério de cada participante o local escolhido, tendo sempre como base de inspiração o pintor António Carneiro.

Terceiro cenário fotografado: Sujeito à criatividade de cada artista.

 

O júri do concurso composto por António Pinto (Presidente do júri), Francisco Piqueiro, José Manuel Ribeiro e Verónica Teixeira Pinto atribuiu três prémios e três menções honrosas nesta quinta edição do concurso:

1º Prémio: António Alves Tedim – Moreira da Maia

2º Prémio: Abílio Jorge de Sousa Mendes – Amarante

3º Prémio: António José dos Santos Cunha – Chaves

Menção Honrosa: Carlos Elísio Teixeira Vasconcelos Silva – Braga

Menção Honrosa: Jorge Simão Pereira Brito Meira – Vila Praia de Âncora

Menção Honrosa: – Valter Bruno do Vale Coelho – Barcelos

 

Sendo estes os seis fotógrafos que compõem a exposição. A sexta edição do concurso, em 2021, terá como tema o Conselheiro António Cândido